área de acesso restrito
  • continuar conectado
Lembrar minha senha
sem cadastro

Melhorias para o transporte urbano são pauta do Seminário NTU 2023

08/08/2023 | Seminário Nacional NTU

Pesquisas, debates, marco legal, inovações, financiamento, cuidado ambiental e tudo que se refere a área de mobilidade urbana concentrado em um só lugar. O presente e o futuro do sistema de transportes públicos brasileiro é o centro dos holofotes na 36ª edição do Seminário Nacional NTU 2023. Hoje (8/8) foi dada a largada para o evento, realizado pela Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU), que reúne no Hotel Royal Tulip, em Brasília (DF), os maiores nomes e os principais projetos do setor.

“É consenso mundial que a mobilidade sustentável passa pelo transporte público coletivo, peça central em qualquer sistema organizado de deslocamentos urbanos e um fator essencial para o bom funcionamento na qualidade de vida da cidade”, afirmou o presidente do Conselho diretor da NTU, João Antônio Setti Braga, na abertura do evento.


Presidente do Conselho diretor da NTU, João Antônio Setti Braga

O dirigente relembrou que os serviços de transportes públicos do Brasil ainda passam por um processo de recuperação dos impactos causados pela pandemia, um dos principais desafios enfrentados pelo setor. Setti Braga ainda acrescentou que os debates com os especialistas no Seminário buscam encontrar melhorias para as questões e colocar o transporte público brasileiro em um novo patamar, promovendo assim uma mobilidade cada vez mais humana.

As consequências da pandemia foram reforçadas na fala do presidente da CNT, Vander Francisco Costa. “O raio-x do transporte público por ônibus urbano no Brasil aponta um cenário de superação do período mais crítico que tivemos no segmento, por conta da crise provocada pela pandemia. O número de passageiros transportados segue sem um crescimento considerável. Essa realidade demanda medidas estruturantes que possam dar respostas efetivas na superação da crise crônica do transporte público, que afeta as empresas operadoras, compromete o cumprimento de deveres dos entes e prejudica principalmente os milhões de passageiros que dependem diariamente deste serviço para viver”, disse.

Outro tema importante para a mobilidade urbana é a urgência por um novo marco legal para o transporte público. O presidente da FABUS, Ruben Antonio Bisi, acredita que este é um instrumento fundamental para transformar para melhor o cenário do setor no país e o Congresso Nacional deve dar celeridade ao projeto. Presidente da Frente Parlamentar Mista do Transporte Público, o deputado federal Diego Andrade (PSD) reafirmou os esforços do grupo especial.

“A Frente Parlamentar Mista tem defendido o transporte de qualidade para todos os cidadãos. Hoje a Frente é composta por 203 delegados e 23 senadores da República. Para o segundo semestre, pretendemos atuar em três temas importantes para o transporte público de passageiros: a reforma tributária, o marco legal e a desoneração da folha de pagamento”, explicou o parlamentar na abertura do Seminário.

Representando o Distrito Federal, o secretário executivo da Secretaria de Transportes e Mobilidade do DF, Alex Carreiro, reforçou a importância do compartilhamento de ideias do Seminário para o aprendizado e colaboração em prol de melhorias no sistema. No âmbito nacional, o secretário nacional de mobilidade urbana do Ministério das Cidades, Denis Andia, valorizou a oportunidade para canalizar as ideias mirando no mesmo ponto: o de aperfeiçoar o transporte público no Brasil.


Presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD)

Por fim, o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD), traçou um paralelo com as manifestações de 2013 e disse que de lá para cá houve uma conscientização maior quanto ao transporte público. O senador também valorizou os esforços do Congresso Nacional para melhorar o cotidiano da sociedade brasileira e estabeleceu uma premissa fundamental para o setor.

“O transporte coletivo de passageiros é um serviço público essencial, de direito do cidadão, não é uma atividade puramente de mercado que se auto regula, se auto determina. Não é essa a lógica, porque se essa lógica imperar, nós teremos em muitas cidades e estados brasileiros uma profunda desigualdade de locais desprovidos de transporte, o que é algo indesejado por todos nós. Então tenhamos muita responsabilidade nesta abordagem, porque não é um protecionismo do setor, é um protecionismo do próprio cidadão brasileiro e da constituição”, encerrou.


Para entrevistas e mais informações à imprensa


Shismênia Oliveira | (61) 9 9233-9131 shismenia.oliveira@fsb.com.br

Viviane Melém | (11) 97171-1524 viviane.melem@fsb.com.br